• Branca Ícone LinkedIn
  • Branco Facebook Ícone
  • Branca ícone do YouTube
  • Branca Ícone Instagram

CONTATO

© 2019 Saturno V Todos os direitos reservados. O Saturno V não comercializa nem distribui cotas de fundos de investimento ou qualquer outro ativo financeiro, fornecemos licença de uso do sistema automatizado. 

EINSTEIN ESTAVA CERTO? E QUEM MAIS?

Por Hindemburg Melão Jr

A recente publicação sobre a “primeira foto de um buraco-negro” citou várias vezes o nome de Einstein, e frequentemente citou de forma inadequada.

 

Decidi adicionar um apêndice ao artigo anterior https://www.saturnov.org/fotoburaconegro, com 4 uptades (em azul, para facilitar a leitura de quem já havia visto a versão anterior, e um dos updates foi justamente sobre as ostensivas e injustificadas citações de Einstein em qualquer coisa que seja testada. Também achei interessante escrever um artigo à parte, tratando exclusivamente disso. Quem tiveresse interesse em saber mais sobre os outros 3 updates no artigo anterior, há alguns pontos interessantes que foram desenvolvidos com maior profundidade e alguns pontos novos, que não estavam presentes na primeira versão.

 

A verdade é que a Teoria da Relatividade Geral é útil para deduzir algumas propriedades de objetos muito massivos e compactos, mas as teorias de muitos outros pesquisadores também tiveram papel crucial na determinação das propriedades desse e outros objetos de classes similares.

 

Além disso, é importante esclarecer que Einstein não achava possível a existência de buracos-negros, e há fortes evidências de que ele tinha razão. Os resultados observados indicam a existência de objetos massivos que reúnem várias propriedades atribuídas a buracos-negros, mas não há nenhuma evidência de que sejam de fato buracos-negros. Os resultados obtidos pelo LIGO também não corroboram a existência de buracos-negros, e nenhum outro experimento mostrou de forma conclusiva que tais objetos existem. O que acontece é que a interpretação ingênua da maioria dos pesquisadores é de que se os resultados observados são suficientemente semelhantes aos objetos teóricos previstos pela teoria, então tais objetos devem realmente existir. No entanto, existem objetos que não atendem os critérios necessários para que sejam classificados como buracos-negros, mas apresentam as mesmas propriedades previstas para buracos-negros. Seria necessário realizar experimentos que pudessem testar situações nas quais esses objetos pudessem produzir resultados experimentais diferentes daqueles previstos para buracos-negros, e só então se pode afirmar, com razoável segurança, que buracos-negros provavelmente existem.

 

Essa é uma parte da questão. Outra parte é que estão dizendo que as observações de buracos-negros corroboraram (ou pior, dizem que provam ou confirmam) as teoria de Einstein. Nenhum experimento é capaz de provar uma teoria. Pode, na melhor das hipóteses, corroborá-la.

 

Outro ponto é que os resultados obtidos mostram que Newton estava certo, Kelvin estava certo, Bohr estava certo, Gauss estava certo, Euclides estava certo, Boltzmann estava certo, Wien estava certo, Schwarzschild estava certo, Hilbert estava certo, Fizeau estava certo, Planck estava certo, Laplace estava certo, Russell estava certo, e mais alguns milhões de outros pesquisadores estavam certos. Porém as notícias costumam ser “Einstein estava certo” ou “Einstein estava errado” ou “novos resultados colocam teoria de Einstein em xeque” etc.

 

Quando um atleta olímpico faz o lançamento do martelo e a trajetória do martelo descreve um segmento de parábola, ninguém publica uma matéria dizendo “Galileu e Newton estavam certos”. Quando O’ Sullivan vence um jogo de Bilhar, ninguém diz que Newton estava certo. Quando se descobre um novo cometa cuja órbita tem a forma de elipse, a velocidade do cometa é tal que ele percorre áreas iguais em tempos iguais, e cujo período orbital medido em anos gaussianos é proporcional ao semi-eixo maior de sua órbita medido em unidades astronômicas elevado a 1,5, ninguém diz que Kepler estava certo.

 

Parece haver uma obsessão em dizer que Einstein estava certo, ou errado, para qualquer resultado experimental que se tenha nos campos da Física, Astrofísica ou Cosmologia. Isso soa muito mal sob diversos aspectos, tanto para quem escreve a matéria quanto para quem lê, porque fica-se com a impressão de que toda a Física dos últimos 100 anos gira em torno de Einstein, que os experimentos são realizados para verificar se Einstein tinha razão etc., quando na verdade as teorias de Einstein sobre Relatividade Restrita, Relatividade Geral, Efeito Fotoelétrico, Movimento Browniano já estão muito bem corroboradas, e não é a imagem obtida de um novo experimento cuja incerteza nas medidas é da mesma ordem de grandeza dos resultados que terá alguma utilidade ou fará alguma diferença na corroboração de alguma das teorias de Einstein.

 

Além de os resultados desse experimento não terem servido para corroborar as teorias de Einstein, ainda por cima usaram modelos baseados nas teorias de Einstein para construir a imagem que foi anunciada como se fosse uma fotografia. Ou seja, a confiabilidade na teoria é muito maior do que nos resultados desse experimento, logo não faria o menor sentido usar os resultados do experimento para corroborar a teoria.

 

Outro ponto negativo é que se transmite ao leigo à impressão de que Einstein era um “palpiteiro”, e que suas ideias até hoje não foram devidamente corroboradas, e toda a fama e prestígio que ele alcançou teria sido pela mera proposição de hipóteses. Seria importante deixar claro que desde 1919 se começou a reunir dados experimentais que se mostraram consistentes com o modelo de Einstein para campos gravitacionais e movimentos acelerados, e nas décadas seguintes houve uma grande variedade de outros testes, além dos eclipses solares, que corroboraram diversos aspectos de suas teorias. Provavelmente a eficiência dos GPS seja o melhor exemplo de uso cotidiano para enfatizar o sucesso de suas teorias. Se suas teorias não fossem boas representações da realidade, a acurácia dos GPS seria muito menor e não serviriam para quase nada.

 

Outro problema é que esse tipo de abordagem faz parecer que a finalidade dos cientistas é tentar fazer previsões sobre o futuro, e ganham estrelinhas quando acertam, causando a impressão de que astrólogos, tarólogos e pais de santo são como cientistas. Seria interessante tentar mostrar que, na verdade, um dos trabalhos dos cientistas (teóricos) não é prever o futuro, mas sim tentar explicar fenômenos já conhecidos que não se mostram consistentes com os modelos vigentes, e quando conseguem propor modelos capazes de explicar tudo que já se conhecia e também os detalhes que se mostravam inconsistentes, o passo seguinte é testar se o modelo também é capaz de descrever alguns fenômenos ainda não conhecidos. No caso de Einstein, seu modelo dava conta de explicar os resultados obtidos por Michelson e Morley, a precessão nos periélios de Marte e Mercúrio. Além disso, efeitos ainda não observados foram previstos com base em sua teoria, sendo a deflexão da luz ao passar pelas imediações de campos gravitacionais intensos uma das primeiras e mais importantes previsões, que o consagrou mundialmente quando as medições do envolvendo o eclipse de 1919, feitas em Sobral, corroboraram suas previsões. Além de criar modelos matemáticos para tentar explicar, de forma simplificada, usando funções com poucos parâmetros, mas capazes de descrever uma grande variedade de fenômenos, outra função dos cientistas (experimentais) consiste em criar experimentos engenhosos por meio dos quais se possa tentar falsear as teorias, construir os dispositivos necessários para levar a cabo esses experimentos, coligir os dados, utilizar ferramentas estatísticas adequadas para tratar esses dados e fazer inferências sobre os resultados de modo a verificar se os resultados obtidos foram consistentes com o modelo dentro de limites “tolerâncias”.

 

Outro ponto muito importante é que Einstein não desempenhou quase nenhum papel no caso desse estudo para tentar medir o perímetro interno do disco de acresção do objeto massivo na região central de M87, mas o nome de Einstein foi mais citado que os dos pesquisadores responsáveis pelo experimento. Claro que a importância da obra de Einstein é muito maior que a de todos os envolvidos nesse projeto somados, e mesmo dividindo os méritos de Einstein com Voigt, Poincaré, Lorentz, Minkowski, Schwarzschild, Hilbert e outros responsáveis pelo desenvolvimento da Teoria da Relatividade, ainda assim os méritos individuais de Einstein superam ao das equipes que trabalharam no presente estudo. Mas Einstein já recebeu seus louros, e agora seria o momento de reconhecer e valorizar o trabalho das equipes responsáveis pela construção dessa imagem, citando-os, descrevendo o papel que desempenharam, a importância que tiveram no trabalho etc. Não citar apenas a moça que fez uma parte operacional do trabalho, mas sim citar todos os integrantes das equipes envolvidas, com maior destaque àqueles que protagonizaram a pesquisa, na resolução dos problemas mais difíceis e nas eventuais inovações que foram necessárias para adaptar os princípios básicos da interferométrica a esse problema em particular, que é um caso não-trivial.

 

Na Idade Média, por volta do século VIII d.C., houve um famoso erudito chamado “Geber”. Antes da invenção dos tipos móveis, a publicação de livros era muito cara, por isso houve vários autores que usaram o pseudônimo Geber, inclusive alguns séculos após a morte de Geber, tentando se passar por ele para que conseguissem que seus trabalhos fossem publicados, e esse grupo de autores ficou conhecido como “Falso Geber”. Os verdadeiros nomes desses autores se perderam na história. Uma lástima que os nomes de alguns personagens importantes para o desenvolvimento da Ciência tenham se perdido por um motivo desses. Agora, em pleno século XXI, vivemos uma situação semelhante, em que Einstein continua sendo citado várias décadas após sua morte, em trabalhos nos quais ele não teve nenhum envolvimento, enquanto as pessoas que deveriam ser homenageadas, às quais deveriam ser atribuídos os méritos, ficam no obscurantismo.

Parabéns a:

 

Kazunori Akiyama https://orcid.org/0000-0002-9475-4254

Antxon Alberdi https://orcid.org/0000-0002-9371-1033

Rebecca Azulay https://orcid.org/0000-0002-2200-5393

Anne-Kathrin Baczko https://orcid.org/0000-0003-3090-3975

Mislav Baloković https://orcid.org/0000-0003-0476-6647

John Barrett https://orcid.org/0000-0002-9290-0764

Lindy Blackburn https://orcid.org/0000-0002-9030-642X

Katherine L. Bouman https://orcid.org/0000-0003-0077-4367

Geoffrey C. Bower https://orcid.org/0000-0003-4056-9982

Christiaan D. Brinkerink https://orcid.org/0000-0002-2322-0749

Roger Brissenden https://orcid.org/0000-0002-2556-0894

Silke Britzen https://orcid.org/0000-0001-9240-6734

Avery E. Broderick https://orcid.org/0000-0002-3351-760X

Do-Young Byun https://orcid.org/0000-0003-1157-4109

Andrew Chael https://orcid.org/0000-0003-2966-6220

Chi-kwan Chan https://orcid.org/0000-0001-6337-6126

Shami Chatterjee https://orcid.org/0000-0002-2878-1502

Ilje Cho https://orcid.org/0000-0001-6083-7521

Pierre Christian https://orcid.org/0000-0001-6820-9941

John E. Conway https://orcid.org/0000-0003-2448-9181

Geoffrey B. Crew https://orcid.org/0000-0002-2079-3189

Yuzhu Cui https://orcid.org/0000-0001-6311-4345

Jordy Davelaar https://orcid.org/0000-0002-2685-2434

Mariafelicia De Laurentis https://orcid.org/0000-0002-9945-682X

Roger Deane https://orcid.org/0000-0003-1027-5043

Jessica Dempsey https://orcid.org/0000-0003-1269-9667

Gregory Desvignes https://orcid.org/0000-0003-3922-4055

Jason Dexter https://orcid.org/0000-0003-3903-0373

Sheperd S. Doeleman https://orcid.org/0000-0002-9031-0904

Ralph P. Eatough https://orcid.org/0000-0001-6196-4135

Heino Falcke https://orcid.org/0000-0002-2526-6724

Vincent L. Fish https://orcid.org/0000-0002-7128-9345

Raquel Fraga-Encinas https://orcid.org/0000-0002-5222-1361

José L. Gómez https://orcid.org/0000-0003-4190-7613

Peter Galison https://orcid.org/0000-0002-6429-3872

Charles F. Gammie https://orcid.org/0000-0001-7451-8935

Boris Georgiev https://orcid.org/0000-0002-3586-6424

Roman Gold https://orcid.org/0000-0003-2492-1966

Minfeng Gu (顾敏峰) https://orcid.org/0000-0002-4455-6946

Mark Gurwell https://orcid.org/0000-0003-0685-3621

Kazuhiro Hada https://orcid.org/0000-0001-6906-772X

Ronald Hesper https://orcid.org/0000-0003-1918-6098

Luis C. Ho (何子山) https://orcid.org/0000-0001-6947-5846

Mareki Honma https://orcid.org/0000-0003-4058-9000

Chih-Wei L. Huang https://orcid.org/0000-0001-5641-3953

Shiro Ikeda https://orcid.org/0000-0002-2462-1448

Sara Issaoun https://orcid.org/0000-0002-5297-921X

David J. James https://orcid.org/0000-0001-5160-4486

Michael Janssen https://orcid.org/0000-0001-8685-6544

Britton Jeter https://orcid.org/0000-0003-2847-1712

Wu Jiang (江悟) https://orcid.org/0000-0001-7369-3539

Michael D. Johnson https://orcid.org/0000-0002-4120-3029

Svetlana Jorstad https://orcid.org/0000-0001-6158-1708

Taehyun Jung https://orcid.org/0000-0001-7003-8643

Mansour Karami https://orcid.org/0000-0001-7387-9333

Ramesh Karuppusamy https://orcid.org/0000-0002-5307-2919

Tomohisa Kawashima https://orcid.org/0000-0001-8527-0496

Garrett K. Keating https://orcid.org/0000-0002-3490-146X

Mark Kettenis https://orcid.org/0000-0002-6156-5617

Jae-Young Kim https://orcid.org/0000-0001-8229-7183

Junhan Kim https://orcid.org/0000-0002-4274-9373

Motoki Kino https://orcid.org/0000-0002-2709-7338

Jun Yi Koay https://orcid.org/0000-0002-7029-6658

Patrick M. Koch https://orcid.org/0000-0003-2777-5861

Shoko Koyama https://orcid.org/0000-0002-3723-3372

Michael Kramer https://orcid.org/0000-0002-4175-2271

Carsten Kramer https://orcid.org/0000-0002-4908-4925

Thomas P. Krichbaum https://orcid.org/0000-0002-4892-9586

Tod R. Lauer https://orcid.org/0000-0003-3234-7247

Sang-Sung Lee https://orcid.org/0000-0002-6269-594X

Yan-Rong Li (李彦荣) https://orcid.org/0000-0001-5841-9179

Zhiyuan Li (李志远) https://orcid.org/0000-0003-0355-6437

Michael Lindqvist https://orcid.org/0000-0002-3669-0715

Kuo Liu https://orcid.org/0000-0002-2953-7376

Elisabetta Liuzzo https://orcid.org/0000-0003-0995-5201

Laurent Loinard https://orcid.org/0000-0002-5635-3345

Ru-Sen Lu (路如森) https://orcid.org/0000-0002-7692-7967

Nicholas R. MacDonald https://orcid.org/0000-0002-6684-8691

Jirong Mao (毛基荣) https://orcid.org/0000-0002-7077-7195

Sera Markoff https://orcid.org/0000-0001-9564-0876

Daniel P. Marrone https://orcid.org/0000-0002-2367-1080

Alan P. Marscher https://orcid.org/0000-0001-7396-3332

Iván Martí-Vidal https://orcid.org/0000-0003-3708-9611

Lynn D. Matthews https://orcid.org/0000-0002-3728-8082

Lia Medeiros https://orcid.org/0000-0003-2342-6728

Karl M. Menten https://orcid.org/0000-0001-6459-0669

Yosuke Mizuno https://orcid.org/0000-0002-8131-6730

Izumi Mizuno https://orcid.org/0000-0002-7210-6264

James M. Moran https://orcid.org/0000-0002-3882-4414

Kotaro Moriyama https://orcid.org/0000-0003-1364-3761

Monika Moscibrodzka https://orcid.org/0000-0002-4661-6332

Cornelia Müller https://orcid.org/0000-0002-2739-2994

Hiroshi Nagai https://orcid.org/0000-0003-0292-3645

Neil M. Nagar https://orcid.org/0000-0001-6920-662X

Masanori Nakamura https://orcid.org/0000-0001-6081-2420

Ramesh Narayan https://orcid.org/0000-0002-1919-2730

Iniyan Natarajan https://orcid.org/0000-0001-8242-4373

Chunchong Ni https://orcid.org/0000-0003-1361-5699

Aristeidis Noutsos https://orcid.org/0000-0002-4151-3860

Héctor Olivares https://orcid.org/0000-0001-6833-7580

Gisela N. Ortiz-León https://orcid.org/0000-0002-2863-676X

Daniel C. M. Palumbo https://orcid.org/0000-0002-7179-3816

Ue-Li Pen https://orcid.org/0000-0003-2155-9578

Dominic W. Pesce https://orcid.org/0000-0002-5278-9221

Oliver Porth https://orcid.org/0000-0002-4584-2557

Ben Prather https://orcid.org/0000-0002-0393-7734

Jorge A. Preciado-López https://orcid.org/0000-0002-4146-0113

Hung-Yi Pu https://orcid.org/0000-0001-9270-8812

Venkatessh Ramakrishnan https://orcid.org/0000-0002-9248-086X

Ramprasad Rao https://orcid.org/0000-0002-1407-7944

Alexander W. Raymond https://orcid.org/0000-0002-5779-4767

Luciano Rezzolla https://orcid.org/0000-0002-1330-7103

Bart Ripperda https://orcid.org/0000-0002-7301-3908

Freek Roelofs https://orcid.org/0000-0001-5461-3687

Eduardo Ros https://orcid.org/0000-0001-9503-4892

Mel Rose https://orcid.org/0000-0002-2016-8746

Alan L. Roy https://orcid.org/0000-0002-1931-0135

Chet Ruszczyk https://orcid.org/0000-0001-7278-9707

Benjamin R. Ryan https://orcid.org/0000-0001-8939-4461

Kazi L. J. Rygl https://orcid.org/0000-0003-4146-9043

David Sánchez-Arguelles https://orcid.org/0000-0002-7344-9920

Mahito Sasada https://orcid.org/0000-0001-5946-9960

Tuomas Savolainen https://orcid.org/0000-0001-6214-1085

Lijing Shao https://orcid.org/0000-0002-1334-8853

Zhiqiang Shen (沈志强) https://orcid.org/0000-0003-3540-8746

Des Small https://orcid.org/0000-0003-3723-5404

Bong Won Sohn https://orcid.org/0000-0002-4148-8378

Jason SooHoo https://orcid.org/0000-0003-1938-0720

Fumie Tazaki https://orcid.org/0000-0003-0236-0600

Paul Tiede https://orcid.org/0000-0003-3826-5648

Remo P. J. Tilanus https://orcid.org/0000-0002-6514-553X

Michael Titus https://orcid.org/0000-0002-3423-4505

Kenji Toma https://orcid.org/0000-0002-7114-6010

Pablo Torne https://orcid.org/0000-0001-8700-6058

Sascha Trippe https://orcid.org/0000-0003-0465-1559

Ilse van Bemmel https://orcid.org/0000-0001-5473-2950

Huib Jan van Langevelde https://orcid.org/0000-0002-0230-5946

Daniel R. van Rossum https://orcid.org/0000-0001-7772-6131

John Wardle https://orcid.org/0000-0002-8960-2942

Jonathan Weintroub https://orcid.org/0000-0002-4603-5204

Norbert Wex https://orcid.org/0000-0003-4058-2837

Robert Wharton https://orcid.org/0000-0002-7416-5209

Maciek Wielgus https://orcid.org/0000-0002-8635-4242

George N. Wong https://orcid.org/0000-0001-6952-2147

Qingwen Wu (吴庆文) https://orcid.org/0000-0003-4773-4987

Ken Young https://orcid.org/0000-0002-3666-4920

André Young https://orcid.org/0000-0003-0000-2682

Ziri Younsi https://orcid.org/0000-0001-9283-1191

Feng Yuan (袁峰) https://orcid.org/0000-0003-3564-6437

J. Anton Zensus https://orcid.org/0000-0001-7470-3321

Guangyao Zhao https://orcid.org/0000-0002-4417-1659

Shan-Shan Zhao https://orcid.org/0000-0002-9774-3606

Juan-Carlos Algaba https://orcid.org/0000-0001-6993-1696

Jadyn Anczarski https://orcid.org/0000-0003-4317-3385

Uwe Bach https://orcid.org/0000-0002-7722-8412

Frederick K. Baganoff https://orcid.org/0000-0003-3852-6545

Bradford A. Benson https://orcid.org/0000-0002-5108-6823

Jay M. Blanchard https://orcid.org/0000-0002-2756-395X

Iain M. Coulson https://orcid.org/0000-0002-7316-4626

Thomas M. Crawford https://orcid.org/0000-0001-9000-5013

Sergio A. Dzib https://orcid.org/0000-0001-6010-6200

Andreas Eckart https://orcid.org/0000-0001-6049-3132

Wendeline B. Everett https://orcid.org/0000-0002-5370-6651

Joseph R. Farah https://orcid.org/0000-0003-4914-5625

Christopher H. Greer https://orcid.org/0000-0002-9590-0508

Daryl Haggard https://orcid.org/0000-0001-6803-2138

Nils W. Halverson https://orcid.org/0000-0003-2606-9340

Antonio Hernández-Gómez https://orcid.org/0000-0001-7520-4305

Rubén Herrero-Illana https://orcid.org/0000-0002-7758-8717

Atish Kamble https://orcid.org/0000-0003-0861-5168

Ryan Keisler https://orcid.org/0000-0002-5922-1137

Yusuke Kono https://orcid.org/0000-0002-4187-8747

Erik M. Leitch https://orcid.org/0000-0001-8553-9336

Kyle D. Massingill https://orcid.org/0000-0002-0830-2033

Hugo Messias https://orcid.org/0000-0002-2985-7994

Daniel Michalik https://orcid.org/0000-0002-7618-6556

Andrew Nadolski https://orcid.org/0000-0001-9479-9957

Joseph Neilsen https://orcid.org/0000-0002-8247-786X

Chi H. Nguyen https://orcid.org/0000-0001-9368-3186

Michael A. Nowak https://orcid.org/0000-0001-6923-1315

Harriet Parsons https://orcid.org/0000-0002-6327-3423

Scott N. Paine https://orcid.org/0000-0003-4622-5857

Rurik A. Primiani https://orcid.org/0000-0003-3910-7529

Alexandra S. Rahlin https://orcid.org/0000-0003-3953-1776

Pim Schellart https://orcid.org/0000-0002-8324-0880

Hotaka Shiokawa https://orcid.org/0000-0002-8847-5275

David R. Smith https://orcid.org/0000-0003-0692-8582

Anthony A. Stark https://orcid.org/0000-0002-2718-9996

Sjoerd T. Timmer https://orcid.org/0000-0003-0223-9368

Nathan Whitehorn https://orcid.org/0000-0002-3157-0407

Jan G. A. Wouterloot https://orcid.org/0000-0002-4694-6905

Melvin Wright https://orcid.org/0000-0002-9154-2440

Paul Yamaguchi https://orcid.org/0000-0002-6017-8199

Shuo Zhang https://orcid.org/0000-0002-2967-790X

Lucy Ziurys https://orcid.org/0000-0002-1805-3886